• 16,438 hits

Ayahuasca

Denominação da união de duas plantas, que também usada em rituais Xamãnicos, Santo Daime, a Ayahuasca, nome quechua de origem inca, refere-se a uma bebida sacramental produzida a partir da decocção de duas plantas nativas da floresta amazônica: um cipó Banisteriopsis Caapi e folhas de um arbusto Psychotria viridis.

É também conhecida por Yagé, Caapi, Nixi Honi Xuma, Hoasca, Vegetal, Santo Daime, Kahi, Natema, Pindé, Dápa, Mihi, “O Vinho da Alma “, “Professor dos Professores” ou “Pequena Morte”, entre outros. O nome mais conhecido, Ayahuasca, é de origem quechua, e significa “Liana (Cipó) dos Espíritos”.

Utilizada por povos pré-colombianos, incas, e muito utilizada, por pelo menos, setenta e duas tribos indígenas diferentes da Amazônia. É empregada extensamente no Peru, Equador, Colômbia, Bolívia e Brasil.

Por milênios é utilizada na Amazônia, e está expandindo-se rapidamente na América do Sul e outras partes do mundo com o crescimento de movimentos religiosos organizados, sendo os mais significativos: Santo Daime, A Barquinha, União do Vegetal e Irmandade Natureza Divina além de dissidências destas e grupos (núcleos ou igrejas) independentes que consagram como sacramento de seus rituais.

Aparência
A aparência da ayahuasca varia entre diversos tons de terra variando entre o bege claro e translúcido ao marrom (castanho) escuro. Os métodos de preparo variam conforme a tradição de cada local e da ocasião em que o consumo se dá. De qualquer maneira, o processo é longo e leva quase um dia para o preparo. As diversas beberagens geralmente contêm talos socados do cipó caapi (Banisteriopsis caapi) mais as folhas da chacrona ou rainha (Psychotria viridis).

Outras plantas podem ser acrescentradas conforme a tradição do feitor da ayahuasca. As religiões ayahuasqueiras do Brasil usam somente Banisteriopsis caapi e Psychotria viridis nos preparos.

Efeitos
Segundo algumas correntes de defensores do seu uso religioso e ritualístico, a ayahuasca não é um alucinógeno. Seus defensores preferem utilizar o termo enteógeno (gr. en = dentro/interno, Theo = Deus/Divindade, genos = gerador), ou “gerador da Divindade interna” uma vez que seu uso se dá em contextos litúrgicos específicos. Para seus críticos, contudo, a opção sócio-cultural do usuário ou a tolerância religiosa de alguns países ao DMT não altera a classificação, uma vez que o objetivo continua sendo o de induzir visões pessoais e estados alterados através da ingestão de uma substância.

O que ocorre com a Ayahuasca é uma ampliação da percepção o que faz com que a pessoa veja nitidamente a sua imaginação e acesse níveis psíquicos sub-conscientes (o que provoca as mirações, que é como são descritas as visões místicas, que são como um sonho acordado e consciente) e outras percepções da realidade, estando sempre consciente do que acontece. Os adpetos consideram este como um estado supramental mental ‘desalucinado’ e de ‘hiperlucidez’.

Em contexto religioso, tais fenômenos são atribuidos à clarividência, Projeção da consciência, acesso a registros etéricos (‘arquivos akáshicos’) ou contatos espirituais. Em outras experiências, dependendo da formulação de cada grupo e tolerância particular, o estado alterado se dá através de visões interiores próximas do estado meditativo, onde o usuário consegue distinguir tais “mirações” pessoais da “realidade exterior”.

Espiritual ou não, a propriedade psicoativa da Ayahuasca se deve à presença, nas folhas da chacrona, de uma substância enteógena (alucinogéna, para outros autores) denominada N,N-dimetiltriptamina (DMT), produzido naturalmente (em doses menores) no organismo humano. O DMT é metabolizado pelo organismo por meio da enzima monoamina oxidase (MAO), e não tem efeitos psicoativos quando administrado por via oral. No entanto, o caapi possui alcalóides capazes de inibir os efeitos da MAO: harmina e harmalina (antigamente conhecida como telepatina), principalmente. Desse modo, o DMT fica ativo administrado por via oral e tem sua ação intensificada e prolongada.

A ayahuasca provoca “expansão da consciência” sem causar danos físicos, inclusive atribuindo à substância propriedades curativas, como reativar órgãos danificados. De fato, não há dependência física conhecida, ainda que a dependência do uso da planta em todos os ritos para se atingir estados alterados seja visto como manifestação de uma dependência psíquica bastante estimulada pelo contexto religioso e social.

 
Urarina Xamã, 1988
Caráter religioso e sintomatologia
Está associado a práticas religiosas e parece ser utilizada por tribos indígenas da Amazônia há séculos. Por número de adeptos, as seitas religiosas e espiritualistas mais conhecidas no Brasil são a União do Vegetal (CEBUDV), Santo Daime (com duas vertentes principais, o Cefluris e o Alto Santo), A Barquinha e Irmandade Natureza Divina, além de núcleos e igrejas dissigentes e outros grupos independentes.

Utilização em rituais
Ayahuasca sendo cozida na Região do Napo no Equador.Segundo linhas tradicionais de uso, ingerindo essa bebida mágica, pode-se absorver o “Espírito da Planta.”. Os sentidos são expandidos, os processos mentais e as emoções tornam-se mais profundos. A jornada pode mover-se em muitas dimensões. O vôo da alma, a partida do espírito do corpo físico, uma sensação de flutuar.

A experiência pode em algum ponto revelar visões notáveis, insight´s, produzir catarses, produzindo experiências de renovação, de renascimento positivas. Visões arquetípicas, de animais, de espíritos elementais, de cenas de vidas passadas, de Divindades, etc. Abre-se o portal de outros reinos da existência.

Nem todos recebem visões na primeira vez que experimentam. O trabalho com Ayahuasca é um processo que exige exame, dedicação, disciplina, perseverança e tempo para um benefício mais completo. Às vezes são necessárias várias sessões para se conseguir esse presente.

Uma vez iniciado o processo da renovação e transformação, estas continuam. O grande passo no trabalho com a Ayahuasca é a assimilação dos ensinamentos espirituais e a prática na vida diária.

À ayahuasca atribui-se a cura de males físicos, psicológicos,mentais e espirituais. Há estudos científicos preliminares sobre aplicações médicas e psicoterapêuticas, entretanto sem conclusões marcantes.

No Peru os xamãs evocam guardiães, protetores espirituais. Evocam carcanas (escudos protetores) através de cânticos de poder (ícaros), do fumo de tabaco, de uma poção de limpeza (vomitiva), camalonga, e algumas águas perfumadas (água de Florida, flores de Kananga) que atraem os espíritos.

A jornada com Ayahuasca leva à exploração tanto deste mundo “ordinário”, como de mundos paralelos, que estão além de nossa percepção corrente. Podem ocorrer sensações de liberação dos limites normais de espaço-tempo.

Sua utilização divide opiniões. A favor do uso, seus adeptos ressaltam que:
Após 18 anos de estudos, o CONAD (Conselho Nacional Antidrogas) do Brasil, retirou a Ayahuasca da lista de drogas alucinógenas conforme portaria publicada no Diário Oficial da União em 10/11/2004.
A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu (em 20/02/2006) que o governo dos Estados Unidos não pode impedir a filial da União do Vegetal no estado do Novo México de utilizar o vinho Ayahuasca (Hoasca / Santo Daime) em seus rituais religiosos. O veredicto atesta que o grupo religioso está protegido pelo ‘Religious Freedom Restoration Act’, aprovado pelo congresso em 1993, e que foi peça jurídica fundamental no processo que legalizou o uso ritual do cactus peyote (princípio ativo: mescalina) pela ‘Native American Church’ – congregação que reúne descendentes de algumas etnias indígenas norte-americanas.
A ONU emitiu um parecer favorável recomendando a flexibilização das leis em todos os países do mundo no que se refere à Ayahuasca.

Riscos para a saúde
Não há dados científicos que indiquem riscos em relação à saúde física. Há, contudo, constantes relatos de vômitos, diarréias e sudorese em alto percentual dos que a experimentam, o que sugere tentativas do corpo em expelir a substância. O uso contínuo, entretanto, parece favorecer uma tolerância química ao princípio ativo, com os sintomas diminuindo de intensidade.

Em alguns casos, a ingestão pode levar a sensação de medo e perda do controle, levando a reações de pânico. Na maior parte das vezes tais reações passam junto com o efeito da bebida, sem necessidade de atendimento médico.

O consumo da bebida pode desencadear quadros psicóticos em pessoas predispostas a essas doenças, ou desencadear novas crises em indivíduos portadores de doenças psiquiátricas (transtorno bipolar, esquizofrenia).

Pessoas com transtorno bipolar (antiga psicose-maníaco-depressiva) devem merecer atenção especial. Os alcalóides inibidores de mono-amono oxidase presentes na bebida, como a harmina e harmalina, têm efeito análogo a alguns antidepressivos, como a moclobemida (Aurorix). E antidepressivos, sejam inibidores de monoamino oxidase, inibidores seletivivos de recaptação de serotonina ou ainda de outras classes são associados a maior risco epsódios de mania em casos de transtorno bipolar. Há significativo risco de surtos psicóticos em indivíduos com pré-disposição genética. Pode ainda ocorrer: persecutoriedade, fuga da realidade e alienação, além de dependência psíquica de moderada a grave.

Interações com medicamentos
Recomenda-se administrar com cuidado a pessoas que estejam tomando antidepressivos, de qualquer classe. Talvez o maior perigo na interação de antidepressivos com ayahuasca seja a ocorrência de um quadro de síndrome serotoninérgica, mas mesmo que não chegue a tal sintomas bem desagradáveis podem ocorrer.

Pode haver interação também com antihistamínicos.

Calmantes, como benzodiazepínicos, podem tornar mais fortes os efeitos da ayahuasca.

Bibliografia
ASSIS, F.S.L. – Uso Ritual da Hoasca: Recomendações e Cuidados, The Newsletter of the Multidisciplinary Association pharmafor Psychedelic Studies MAPS 7(1); 25-6; 1996-7.
CALLAWAY, J.C.; AIRAKSINEN, M.M.; MCKENNA, D.J. et al. – Platelet serotonin uptake sites increase in drinkers of ayahusca, Psychopharmacology 116:385-7, 1994.
CALLAWAY, J.C.; GROB, C.S. – Ayahuasca preparations and serotonin re-uptake inhibitors: A potential combination for severe adverse interaction. J Psychoactive Drugs (in press) 1998.
CALLAWAY, J.C.; MCKENNA, C.S.; GROB, G.S., et al. – Pharmacokinetics of Hoasca alkaloids in healthy humans. J Ethnopharmacology 65; 243-56, 1999.
CAZENAVE, S.O.S. – Alucinógenos. In: Olga, S. Fundamentos de Toxicologia, Atheneu, São Paulo, 1996, pp 329-43.
CAZENAVE, S.O.S. – Banisteriopsis caapi: ação alucinógena e uso ritual, Rev Psiq Clín 27;(1), 2000, pp. 1-6.
FREUD, S. – Introdução à Psicanálise. Imago, Rio de Janeiro,1969.
JASPERS, K. – Psicology der Weltanschauungen. Springer, Berlin,1954.
KATSZUNG, B.G. – Farmacologia Básica e Clínica. 6ª edição, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1998, pp 204-6.
LABATE, B.C.; ARAÚJO, W.S. – O uso Ritual da Ayahuasca. Mercado das Letras FAPESP, São Paulo, 2002.
LABIGALINE, E.J. – O uso de Ayahuasca em um contexto religioso por ex-dependentes de álcool. São Paulo, 1998, Dissertação de mestrado, Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina, área de concetração Saúde Mental.
MACRAE, E. – Guiado pela Lua: O Xamanismo e o uso ritual da Ayahuasca no culto do Santo Daime. Brasiliense, São Paulo, 1992.
MAYER-GROSS, W.; ROTH, M.; SLATER, E. – Clinical Psiquiatric. Grunner and Stratton. New York, 1969.
MCKENNA, D.J.; CALLAWAY, J.C.; GROB, CS. – The Scientific Investigation of Ayahuasca: A Review of Past and Current Research. The Heffer Review of Psychedelic Reseach, Volume 1, 1998.
NOBRE DE MELO, A.L. – Psiquiatria. Guanabara, Rio de Janeiro, 1981. 
REZA-BRAVA – Ana Vitória Vieira Monteiro
STRERNBACH, H. – The Serotonin Syndrome. Am J Psychiatry 148(6):705-13, 1991.
UMEZAWA, K.; SHIRAI A. et al. – Comutagenic effect of norharman and harman with 2-acetylaminofluorene derivates. Proc. Natl. Acad. Sci. USA, 75(2) 928-30, 1978.

Ligações
Ayahuasca-info Introdução ao mundo da ayahuasca
Irmandade Comunindios Bandeira Branca Irmandade Comunindios Bandeira Branca
Irmandade Natureza Divina
Obtido em “http://pt.wikipedia.org/wiki/Ayahuasca

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: